Pular para o conteúdo principal

Nosso mais novo artigo

CAROLE E TUESDAY

A linda animação que propõe uma reflexão profunda sobre conexão entre Música e Alma
Imagem/Divulgação
Com um projeto de animação em cores vivas e cenários deslumbrantes, o anime produzido pelo estúdio Bones e dirigido por Shinichirō Watanabe (Cowboy Bebop e Samurai Champloo) e Motonobu Hori, navega por uma civilização recém futurista, em que o planeta terra está em colapso e aqueles com melhores condições sociais habitam Marte, onde robôs e máquinas com I.A (Inteligência Artificial) são parte comum do cotidiano. 
Toda a história tem como base a música e sua conexão profunda com a alma humana. Todavia neste futuro  as artes, em especial as músicas são criadas com tecnologia avançadas I.A. (inteligência Artificial), comandadas por empresas do entretenimento. 
As personagens principais da série são de mundos divergentes, Tuesday é parte da classe nobre Marciana, presa a imagem da mãe que vive pelo status social. Enquanto Carole é uma órfã abandonada pelos pais imigrantes do planeta …

A lenda do herói, Uzumaki Naruto

Naruto Shippuden- O desafio final



Nos artigos anteriores vimos às características do arquétipo do herói presentes no mangá/anime Naruto, e o desenvolver de sua jornada, como seu nascimento conturbado, o confronto com sua sombra, e a luta com sua alma interior, que representam seus medos e receios. Essa última parte será focada na conclusão da trama, os desafios finais da jornada do herói e a perspectiva de uma nova vida.

Para ler a primeira parte desse artigo clique aqui!
Para ler a segunda parte desse artigo clique aqui! 

                                                        
              O Artigo a seguir contém Spoilers! 
                              Fique ATENTO!

A relação do herói com sua anima é crucial na história, o reconhecimento de sua essência feminina e sua integração é parte de seu crescimento pessoal, esse arquétipo está relacionado também a imagem da mãe. É natural ao processo de desenvolvimento do ser, o rompimento com a figura materna, para dar início ao seu caminho pessoal, entretanto o desprendimento carrega em si um sentimento de culpa e medo constante da vingança da mãe protetora. Essas imagens representam o despertar da própria consciência e sua diferenciação perante o inconsciente, ao primitivo, a natureza de onde provém. A dualidade encontrada na Grande- Mãe, hora acolhedora, protetora e total,carrega em seu oposto o Dragão devastador que contém em si todos os males do mundo, com sua fúria estrondosa. Basta que façamos uma comparação com a natureza, dela provém todo necessário a nossa nutrição e sobrevivência, terra onde erguemos nossas moradas, entretanto em alguns momentos, sua força em forma de furacões, tsunamis, terremotos, tempestades nos amedronta. Ainda hoje, dias dos quais o homem se orgulha da conquista da mesma, não deixamos de sofrer com sua fúria. Na mitologia grega Gaia representa a terra, ela é a mãe que protege seus filhos e os auxilia na luta contra os pais tiranos, contudo é a mesma que dá luz aos Titãs e os instiga a lutar contra seus filhos, os Deuses do olimpo.Tifón Titã que deu muito trabalho a Zeus é um exemplo. Essa dupla face de seu ser é representada em muitos contos em forma de Dragão, monstro terrível, de força celestial e chefão final de diversos épicos. 


A esquerda Venûs de Willendorf estatueta do ano de 28.000 A.C
A direita uma das representações de Tiamat como Dragão (Deusa Suméria)

Anteriormente foi dito que, em Naruto a mãe primordial, celestial é representada pela figura do Chakra, a energia vital, natural, a mãe criadora, que nutre a alma de todos os seres. Seu lado negativo na série é apresentado de forma mais palpável, como o vilão final, aquela que é chamada de mãe, deusa criadora e fonte do Chakra, Kaguya. A imagem de Kaguya personifica o arquétipo da grande mãe em sua versão negativa, é nítido que a mesma é movida apenas pelo sentimento de vingança perante a traição e fuga de seus filhos, bem como o ódio que nutriu da humanidade ( Não existe coisa mais assustadora que uma Mãe brava). O ápice da força e perigo de toda a série é a imagem de Kaguya que deseja ter seus ‘’filhos’’ de volta ao seu controle, vivendo em segurança em um mundo de ilusões, presos em sua mente, no eterno inconsciente, o Tsukuyomi infinito. Um dos papéis do arquétipo do herói é o desprendimento da grande mãe e mais tarde seu enfrentamento, que representa todos os seus medos, males, receios, constelados na figura vingativa da mãe má. No entanto é necessário ressaltar aqui um ponto importante nessa jornada, o arquétipo do Pai primordial é fundamental para o confronto entre o herói e o Dragão. Ele que dará ao filho as armas necessárias para vencer o grande mal. Esse arquétipo aparece nesse momento do anime personificado como o sábio dos seis caminhos, que poderíamos afirmar ser o primeiro ideal de líder, precursor da ideia de Hokage. Esse lhe explica sobre o ciclo de heróis anteriores a Naruto, e os conflitos aos quais passaram em sua jornada, os Clãs Senju e Uchiha representam a consciência e sua sombra, o Animus e Anima, Yang e Yin. Naruto agora tem a missão não só de derrotar Kaguya, mas de finalizar o ciclo de experiências e conflitos, se livrar do domínio infinito do inconsciente coletivo, das imagens arquetípicas, do padrão antigo. 


Ciclo que encarnações dos espíritos de Indra e Ashura.

O arquétipo de herói aparece para selar o novo, quebrar as barreiras do velho e dar origem a sua história, seu caminho, seu reinado, representa a consciência dando significado ao seu eu, colocando a sua vontade perante o antigo domínio do inconsciente. Naruto é a figura desse arquétipo, a previsão de que ele traria paz a um mundo de caos deixa claro seu papel como herói transformador. Na mitologia suméria Marduk é aquele que aparece para trazer um novo reinado e seu desafio é enfrentar Tiamat, a mãe criadora, que se volta contra ele, com sua vitória Marduk cria um novo mundo aos homens. Com a consciência de sua tarefa Naruto adquire um novo poder, o modo sábio e junto a Sasuke (sombra), Kakashi (Professor/Animus), Sakura (Anima) o herói derrota Kaguya, salvando a todos. 


Marduk (Deus Sumério criador da humanidade) confrontando uma das bestas criadas por Tiamat ( Deusa Suméria do Oceano, Mãe de todos os Deuses).

Porém há ainda um último confronto, Naruto deve finalmente se integrar com sua sombra por completo, pois ainda resta o conflito ético em relação à figura do pai. O que é ser um Hokage? O grande inimigo do herói não são os males que lhe assolam de sua infância ou o Leviatã que quer lhe tomar a vida, mas algo íntimo, seu orgulho e vaidade, seu Eu. O herói ao conquistar suas vitórias tem a sensação de poder, controle, domínio sobre toda e qualquer coisa que esteja em seu caminho, para psique representa o estado de inflação do ego, do complexo do eu frente às recentes conquistas do embate com as potências inconscientes. Essa posição lhe confere algo que sempre desejou, o “controle absoluto” da psique, ele agora que irá ditar as regras e suas vontades, pelo menos é o que parece. Entretanto o Ego deveria estudar as leis da mente, pois segundo Jung e sua lei de compensação, toda e qualquer tendência unilateral do consciente tem sua resposta inconsciente de igual proporção, a famosa lei do retorno. Ainda existe um desafio a ser ultrapassado, este Jung deu o nome de Personalidade-Mana. Representa o arquétipo do sábio, o mestre, o grande conhecedor o mago supremo, a figura do supremo com qual o Eu corre o risco de se identificar, no caso de Naruto a figura maior do Hokage. 


Naruto Hokage


A luta final com Sasuke representa a batalha interna de Naruto com a Personalidade-Mana. Nesse momento da série não existe ninja mais forte, ele é detentor do Chakra de todas as Bijus, tem o domínio de sua Anima e a força por seu aspecto masculino. Quem poderia ir contra suas vontades em um mundo em estado caótico? Como já dito Sasuke é a imagem da sombra do menino raposa, por esse fato seu poder é de igual tamanho, ele também viu a verdade e as dores do mundo, e demonstra o herói que sucumbi ao ego, o orgulho e acaba por se perder no arquétipo da Persona-Mana. Deseja através de seu imenso poder, subjugar todos as suas vontades, afinal ele sabe tudo, sua visão é o caminho correto que guiará a humanidade. Portanto a questão da vaidade é ponto crucial do caminho do herói, irá revelar se o Eu, em sua ilusão pela imagem de Deus, assumirá o papel do mesmo. Ou aceitará que não é o detentor do universo mas sim parte dele, se integrando ao todo. 

Essa resposta junto a batalha com o Kaguya colocou fim ao antigo ciclo, que representa a história da própria humanidade, paradigmas que confrontamos desde os primórdios. O desfecho não poderia ser mais emocionante, rendendo dois incríveis episódios no Anime, terminando com ambos estirados ao chão sem um braço, aceitando a presença de um no outro, o equilíbrio de nosso interior, a integração com nosso lado obscuro, aceitando como parte de nosso ser, o trazendo de volta a luz. 



Naruto e Sasuke - resolução da luta final.

Toda história, lenda e mito heroico se trata sobre o nosso caminho pessoal em busca da personalidade verdadeira, a individuação, o processo de reconhecimento de algo maior a nós, entretanto parte de nós, quem somos? quem nos tornaremos? Embora todo conto proponha um desfecho, a luta com nossos medos, sentimentos, desejos é constante, diária, ocorre até o fim de nossas vidas, o herói aparece todos os dias, bem como nossa sombra, Anima/Animus e Persona, são funções presentes em nossa psique. Nunca há um fim, o caminho é o próprio fim, um ciclo de experiências vivas, o caminho pela totalidade da alma. O menino raposa foi tão amado dentro e fora do Japão por expressar nitidamente as qualidades do herói, e ao fim conquistou o papel de líder de sua vila, sua figura é a imagem de nossa força interior e demonstra que todos podem ser heróis e superar seus desafios pessoais, por mais clichê que pareça. Jung era otimista, pois considerava a existência de um arquétipo salvador, redentor, o qual ao fim, próximo ao abismo, surgiria como força transformadora, culminando em nosso ‘’final feliz’’. Algo que nos transcende, o todo, o Self. 

Espero que esse artigo tenha esclarecido como alguns conceitos da psicologia analítica se encaixam em nosso cotidiano e estão presentes nas entrelinhas de series, filmes, livros e contos que somos fãs e nos identificamos. Agradeço a todos que chegaram até o fim desses três artigos. Por favor, comentem, deem seu feedback, critiquem, reflitam, adicionem conhecimento ao blog, juntos somos mais fortes. Agradeço e até a próxima postagem!


FIM!


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


Campbell, Joseph. O herói De Mil Faces. Pensamento,
2010.

El Poema De La creación Enuma Elish. Dirección De Difusión Cultural, 1989.

Jung, C. G. (Carl Gustav). O Eu e o Inconsciente. Vozes, 2008.
Jung, C. G., et al. Os arquétipos e o Inconsciente Coletivo. Vozes, 2000.
Kishimoto, Masashi. Naruto. Viz, 2008.
Müller, Paschoal. O herói: Todos Nascemos Para Ser heróis. Cultrix, 1992.
Neto APT; Silva FA; Ribeiro IRG. Iconografia do humor presente no anime Naruto: representação gráfica dos ícones humorísticos da animação nipônica.Periódicos Ufpb,2018.
Neumann, Erich. História Da Origem Da consciência. Ed. Cultrix, 1995.
Noronha, F.S. Animês e mangás: o mito vivo e vivido no imaginário infantil. Faculdade de Educação,
Universidade de São Paulo, 2013.
Oliveira, Carlos Daudt de. A epopéia De Gilgamesh. Martins Fontes, 2001.
Vernant, Jean-Pierre, and Rosa Freire D'Aguiar. O Universo, Os Deuses, o Homens. Companhia Das Letras, 2005.




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas